quinta-feira, setembro 19, 2019
Tecnologia

5 passos para tornar o seu consultório um ambiente agradável para o seu paciente

Classicamente quando se pensa em ambiente médico nos veem à mente é um lugar com paredes brancas, frio, quieto, impessoal. Quando uma pessoa procura atendimento médico ela se encontra fragilizada, assustada, com muitas incertezas, e para ela aquele momento é único. Porém um ambiente frio acaba por gerar ainda mais tensão a esse momento.

Pensando nisso, nos últimos anos surgiu um novo conceito em decoração para clínicas e hospitais. A ideia é transformar a experiência dentro da clínica ser o mais agradável possível, transformando o ambiente antes impessoal em algo aconchegante e relaxante. Nesse sentido, podemos atuar em vários pontos.

1- Recepção: O ambiente da recepção deve ser amplo, com paredes coloridas de tom suave, com número de secretárias compatível com o fluxo de pessoas e pacientes, e se possível com cadeiras.

2- Sala de espera: A sala de espera pode ser um ambiente muito estressante, e devemos tomar especial cuidado com ele. Alguns detalhes fazem o tempo, à vezes longo, de espera mais agradável, como música suave, sofás ou poltronas confortáveis, revistas variadas e atualizadas, quadros nas paredes com cores relaxantes, bebidas como água, chá e café, etc. Evite televisão, pois é difícil agradar todos os gostos, e noticiários podem trazer ainda mais estresse.

Uma novidade interessante é a “gameficação” das salas de espera. Usando tablets, você pode criar jogos (games) que além de fornecerem um conteúdo educativo para os pacientes de maneira lúdica, ajudam a passar o tempo às vezes longo nas salas de espera. Essa metodologia é especialmente interessante para especialidades que tem como público alvo crianças e adultos jovens, porém quando bem feitos, até mesmo pessoas mais idosas podem aproveitar a experiência.

3- Consultório: O ambiente deve ser o mais confortável possível. Use cores claras nas paredes, coloque quadros nas paredes, flores ou outro detalhe para a decoração. Usar um aromatizador suave também ajuda o paciente a relaxar. As cadeiras devem ser confortáveis, porém não podem ser muito baixas ou macias demais, pois isso pode gerar desconforto para os pacientes mais idosos.

4- A sua atitude corporal: A empatia é parte fundamental de qualquer relacionamento, e não seria diferente na relação médico paciente. A sua expressão corporal fala muito sobre você, e por isso uma atenção dobrada deve ser dispensada a esse tópico. Procure se mostrar interessado no assunto, manter contato visual, deixe que a pessoa conclua o seu raciocínio todo. Para você a história toda pode parecer bastante simples e algumas vezes o diagnóstico já é bastante evidente nos primeiros momentos da consulta, mas o simples fato de permitir que a pessoa conte toda a história faz com que ela confie em você e fique mais receptivo a todas as terapêuticas que possa vir a receber, melhorando os seus resultados. Não é incomum os médicos falarem com seus pacientes como se eles tivessem já algum embasamento sobre o assunto. Por mais banal que pareça, reserve um tempo para explicar tudo detalhadamente.

5- Acessibilidade: Esse é um assunto bastante importante, e muitas vezes banalizado. Quando planejar a sua clínica, lembre que muitas pessoas com deficiências irão precisar do seu atendimento. Para isso, vale a pena contratar um arquiteto para desenhar rampas de acesso, corredores amplos que permitam a passagem de cadeiras de rodas ou pessoas com muletas, colocar corrimão em corredores (especialmente para especialidades que atendem idosos), sinalização de fluxo no chão para facilitar o deslocamento tanto de funcionários quando de clientes, sinalizadores para deficientes visuais, poltronas e cadeiras maiores para pacientes obesos, etc. Se o espaço físico permitir, é muito interessante oferecer estacionamento para os clientes, de preferência coberto e com vagas amplas para deficientes. Em grandes cidades ou regiões com alto fluxo de carros, ter ou não um estacionamento privativo pode pesar na hora do paciente decidir por uma ou outra clínica. Com o aumento do número de profissionais, as pessoas avaliam muito mais do que somente a qualidade do profissional para decidir por um serviço.